Nas pesquisas mais recentes percebe-se que a história do município de Bodocó está entrelaçada com a história da Família Alencar e com a história indígena da região.

Os vestígios da presença de índios (caboclos brabos) faz-se por relatos em forma de oralidade. Contavam alguns nativos mais antigos que ao desmatarem a serra para plantio de mandioca, encontravam enormes potes com enormes árvores dentro da mata que eram quebrados por curiosidade. Isso aconteceu na Serra do Tucano e na Serra do Pequi, no final do século XVIII.

Por volta de meados do ano 1700, a Família Alencar veio constituir fazendas de criação de gado no entorno da chapada do Araripe na região próximo ao Riacho Bodocó, Alexandre de Alencar Rego e sua esposa se Instalam e constituem uma fazenda.

O nome Bodocó, apresenta duas vertentes: a primeira que veio de uma planta aquática com nome Bodocó abundante nas lagoas; a segunda que vem de uma tribo (grupo) de índios chamados de Bodorocós. O significado da palavra Bodocó na 

língua tupi-guarani é carne seca na roça.

 

Os dois grandes marcos da história de Bodocó foram  a “Guerra do Amparo”, ocorrida em 1909 e a sua emancipação política em 1924.

Bodocó, Terra de povo festivo (alegre) e hospitaleiro por natureza. Terra da cultura e de artistas na música  na poesia  e nas artes plásticas, Terra de vários ciclos econômicos sendo o mais forte e predominante a pecuária. Terra de lindas paisagens de pé de serra, com formações rochosas, como a Pedra do Menino, olhos D’aguas e caldeirões. Terra do ecoturismo tendo como ícone maior a Pedra do Claranã com suas lendas, seus mistérios, sua vasta flora e fauna.

Terra do Bodocó.

Por João Humberto Aires Pedroza

Hino de Bodocó

No sopé dessa serra planalto
Bodocó se afirmou e cresceu
E é hoje o destaque mais alto
No cenário erudito e plebeu

Já contando alguns anos de vida
Desde que por lei se emancipou
É a nossa cidade querida
A quem rendemos nosso louvor

A cidade sempre adolescente
Com orgulho costuma mostrar
Sua juventude inteligente
Que estuda e quer prosperar

O seu povo é muito ordeiro
Pois aqui só se pensa em crescer
E o exemplo há de ser pioneiro
Do progresso e do bom conviver

Composição: Lisléa Alves Saraiva